Mapa

Isla de Boipeba

Cómo llegar

Agencias

Posadas

Posadas em Boipeba

Posadas em Moreré

Casas

Casas em Boipeba

Casas em Moreré

Amabo

En Destacado


Change Language


Agencias


Posadas


Casas


Change language

Português do Brasil

English

Español

Française

Deutsch

Italiano

Centro Ambiental m'boi pewa

 
 

O Centro Ambiental m'boi pewa é um espaço para o desenvolvimento de ações educativas que visam informar os moradores e visitantes de Boipeba sobre o meio ambiente e a importância da sua proteção. Constituído por um salão de reuniões com equipamentos audiovisuais e um escritório de administração, situado na Rua Barbarino Gomes, no centro de Velha Boipeba.

 

A criação deste espaço se deu a partir da mobilização de moradores reunidos na Amabo, que conceberam a proposta de educação ambiental para Boipeba. O projeto foi apresentado à Petrobras, que explora gás natural na Bacia sedimentar de Camamú, próximo as ilhas de Tinharé e Boipeba.

Em 10 de janeiro de 2008, a Amabo e a Petrobras assinaram um convênio que proporcionou condições financeiras para a criação do Centro Ambiental m'boi pewa. O valor do convênio é de R$ 188.790,18 e além, a Amabo contribui com a Coordenação geral, Acompanhamento contábil, Despesas de aluguel e viagens e Trabalho voluntário no valor de R$ 63.504,58.

 

Apoio:

 
 

Uma das primeiras ações, foi a divulgação das informações. No atracadouro de Boipeba, a Amabo inaugurou um painel com fotos e informações sobre o projeto. Dessa forma, moradores e visitantes podem se informar sobre os objetivos, metodologia e valores.

 
 

Dia 13 de março de 2008, começou o trabalho na reforma do imóvel. Os primeiros passos foram a aquisição de cimento, areia, brita, ferro e blocos. Depois, começou a desmontagem do telhado e da instalação elétrica antiga para preparar a reconstrução das paredes danificadas.

 
 
 

Após a remoção do telhado, se descobriu que uma das paredes laterais servia para duas casas, o que é chamado de meia-parede. Para sanear a situação, foi preciso levantar uma nova parede, separando o centro ambiental da casa do vizinho.

Como já era visível anteriormente, a maior parte das paredes está seriamente danificado, o que implica a restauração geral de toda estrutura da casa.

 
 
 
 

Após a instalação elétrica e hidráulica, foram rebocadas e pintadas as paredes e o piso foi revestido com xadrez nas cores vermelha e verde, formando um círculo no centro da sala.

 
 
 

Sábado, 29 de março de 2008, o projeto Centro Ambiental m'boi pewa foi matéria do jornal A Tarde.

 
 

Aproveitando o movimento da festa do Divino Espírito Santo, padroeiro de Velha Boipeba, a Amabo inaugurou o Centro Ambiental m'boi pewa em maio de 2008.

 
 
 
 

Na abertura, Frei Almeida mencionou a importância da preservação da natureza e abençoou o local, as atividades e as pessoas do projeto. Mais de cem pessoas participaram do evento. Entre moradores e visitantes estavam presentes o Prefeito de Cairu e representantes da sociedade organizada.

 
 
 

A partir de maio de 2008, o conselho de acompanhamento começou se reunir todas as quartas para discutir e determinar o andamento do projeto.

Realizaram-se reuniões para alinhar as atividades e foram abordados os princípios da educação ambiental e discutidos reajustes do cronograma do projeto.

A partir do mês de junho de 2008, foram realizadas oficinas com os professores, alunos e diversos grupos da sociedade como guias, pousadeiros, comerciantes, agentes de saúde, funcionários da prefeitura, grupos de capoeira e o clube do surf, com o objetivo de sensibilizar os participantes sobre a preservação ambiental na Ilha de Boipeba.

Realizaram-se oficinas com os comerciantes, donos de pousadas e restaurantes sobre a importância da coleta seletiva e o consumo sustentável de Boipeba.

Nestas oficinas, foi lançado o projeto das sacolas retornáveis. No projeto foram confeccionadas 550 sacolas de tecido e distribuído gratuitamente para cada residência de Velha Boipeba.

Uma oficina foi realizada com funcionários da Prefeitura Municipal que trabalham limpeza pública. Foi discutido a situação da coleta do lixo em Velha Boipeba e mapeados os pontos críticos. Na oportunidade, foram convidados a participar das ações, voltadas para a limpeza pública, especificamente na implantação de girais para o lixo.

 
 
 
 
 
 
 

 

Uma das principais realizações do Centro Ambiental foi a confecção da revista "Boipeba - onde vivo." A revista registrou a beleza da ilha e mostra um pouco da historia e da cultura, mas também buscou alertar sobre os riscos do desenvolvimento desordenado. Várias pessoas da comunidade ajudaram com a elaboração das matérias, fotos e ilustrações. A revista é distribuída gratuitamente a toda comunidade e vendida ao valor de R$ 6,00 aos visitantes.

 

Para comemorar o Dia do Meio Ambiente de 2008, o Centro Ambiental promoveu várias atividades. Durante os três dias, cerca 500 alunos assistiram ao teatro de bonecos, filmes educativos e palestras sobre a preservação do meio ambiente. As noites aconteceram apresentações para jovens e adultos com a presença de cerca 200 pessoas.

 
 
 
 
 

Em 2009, o Centro Ambiental comemorou o Dia do Meio Ambiente com a apresentação de filmes no Cine Ambiental em todos os dias.

A bióloga Jeysa Araújo, fez palestras com o tema Conhecendo os Recifes de Corais, que chamou muito a atenção a situação das piscinas naturais, uns dos maiores pontos turísticos da ilha.

As escolas de Boipeba participaram todos os eventos e alunos e professores se uniram na caminhada de inauguração dos jiraus pelos bairros com a colocação de faixas e cartazes educativos.

O encerramento aconteceu na Praça Santo Antonio com a apresentação de teatro de bonecos que teve como tema a coleta seletiva e o uso dos jiraus. Foram plantados arvores e teve uma apresentação do grupo de dança do colégio.

 
 
 
 
 
 

Em maio de 2009, foram construídos 31 jiraus (grades de varas sobre forquilhas fixadas no chão, neste caso para colocar o lixo) em Velha Boipeba.

A construção dos jiraus fez parte das oficinas de educação ambiental, com a participação de professores, alunos e pessoas da comunidade.

Os objetivos são: incentivar a comunidade a utilizar os jiraus; sensibilizar a mesma para a questão da separação do lixo e iniciar os alunos do ensino médio como multiplicadores para a coleta seletiva do lixo.

Os educadores, acompanhados por alunos, visitaram cerca de 500 residências e entregaram à cada família uma revista "Boipeba Onde Vivo" e um folheto sobre a utilidade dos jiraus.

 

 
 
 

Nos dias 23 e 24 de maio de 2009, a Amabo comemorou o primeiro ano de funcionamento do Centro Ambiental.

No dia 23, o presidente da Amabo e a coordenadora do Centro Ambiental fizeram uma apresentação das ações desenvolvidas ao longo do período e a advogada ambientalista Isabel Ligeiro fez uma palestra sobre APA e Meio Ambiente.

No dia 24, a técnica ambiental da Petrobras, Eliete Carneiro palestrou sobre a Coleta Seletiva e ações que preservam o Meio Ambiente com a presença do Prefeito Hildécio Meireles, de vereadores e secretários do Município de Cairu e representantes das comunidades de Moreré, Monte Alegre e Boipeba.

Após, o Prefeito sancionou as leis de utilidade publica municipal da Amabo e da Associação de Moradores e Amigos de Moreré e Monte Alegre - Amamos, entregues pelos vereadores Alex e Igor.

O destaque do dia foi a assinatura de um termo de parceria entre Amabo e a Prefeitura Municipal de Cairu, visando a implantação conjunta de uma coleta seletiva de lixo e destinação final do material reciclável.

 

Em conjunto com o Ginásio Municipal, o Centro Ambiental está desenvolvendo o projeto Horta na Escola. Juntos, alunos, professores, educadores e comunidade experimentam uma forma de ensinar e aprender, baseados no cultivo da terra e trabalhando no ritmo da natureza. Está sendo preparada uma horta experimental ao lado do Ginásio, onde serão cultivados verduras, legumes e plantas medicinais.

Muitas oficinas de educação ambiental aconteceram na horta com o objetivo de sensibilizar os alunos e a comunidade sobre a importância do cultivo de hortaliças, vegetais e arvores frutífera. Estão sendo implantados técnicas de permacultura e compostagem para incentivar o plantio na comunidade.

Os professores do Ginásio apóiam as oficinas e complementam o trabalho educativo na sala de aula.

 
 
 

O Centro Ambiental m'boi pewa realiza oficinas de vídeo para capacitar jovens para a elaboração de um documentário sobre a ilha.

Foi elaborado o roteiro e definido o título "Um dia em Boipeba". O vídeo terá uma duração cerca 30 minutos em formato de documentário, registrando a natureza e o dia a dia da ilha.

Todos os domingos acontece o Cinema Ambiental no Centro Ambiental onde são apresentados filmes de cunho sócio-ambiental, acompanhados de uma discussão no final da apresentação.

 
 
 

O Centro Ambiental serve de apoio ao desenvolvimento dos Projetos Integrados Participativos da Petrobras e disponibiliza o espaço e os equipamentos para as associações envolvidas.

A empresa LUMAR, contratada pela Petrobras, realizou treinamentos de contenção no caso de acidentes de derrame de petróleo com pescadores de Velha Boipeba, São Sebastião e Garapuá. Entregam equipamentos como: luvas, botas, macacão óculos e rádio VHF para os barcos cadastrados e os certificados de participação do curso para os 18 participantes.

O Grupo Thaba - Núcleo de Pesquisa e extensão em Habitação Popular realizou vários reuniões com os representantes das comunidades de Boipeba, Moreré, Monte Alegre e Garapuá para tratar da construção dos centros comunitários. Organizaram uma entrevista com provas para selecionar os alunos do curso de qualificação profissional na área da construção civil. Foram inscritos 25 jovens e destes selecionados sete e três suplentes. O curso está sendo ministrado no canteiro escola na comunidade de Moreré.

 
 
 
 

No mês de julho de 2008, o centro ambiental recebeu a visita de quatro pingüins, que apareceram nas praias de Boipeba decorrente do fenômeno anormal, que trouxe eles até o litoral da Bahia.

A Amabo entrou em contato com o projeto MAMA (Mamíferos Marinhos Aquáticos) que tem uma base na Ilha de Tinharé, para encaminhar os animais e passou a ser parceiro do MAMA na recuperação e proteção de animais marinhos.

Em 2009, foi encontrado um albatroz nas praias de Boipeba. A equipe do Centro Ambiental tentou salvar o animal, mas não resistiu do seu estado debilitado e morreu.

 
 
 

O Centro Ambiental é muito usado como espaço de reuinões da comunidade de Velha Boipeba. A Amabo e outras associações e grupos realizam reuniões no Centro.

A Associação Luz Cultural promoveu uma serie de eventos, relacionados à Consciência Negra e as tradições indígenas com o antropólogo Sr. Olympio Serra, que falou sobre a riqueza da herança e da ancestralidade.

Os professores e alunos de Boipeba preparam a Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente e realizaram Olimpíadas de Português no Centro Ambiental.

A Prefeitura Municipal de Cairu promoveu reuniões com os profissionais do Posto de Saúde da Família de Velha Boipeba e realizou o cadastramento do Programa Bolsa Família. O CRAS (Centro de Referência da Assistência Social da Bahia), realiza reuniões com a comunidade.

Em agosto de 2008, pela primeira vez a Câmara de Municipal de Cairu, realizou uma sessão Itinerante em Boipeba. Estavam presentes todos os vereadores do município e cerca 100 pessoas da comunidade de Boipeba.

Em setembro, foi organizado um debate com os candidatos a vereadores de Boipeba, pelos alunos de turismo da Faculdade Zacarias de Góes.

 

 

 
 
 

O Centro Ambiental também é palco para festas da comunidade.

O Projeto de Capoeira com Crianças do grupo de capoeira regional "Axé Bahia" se apresentou várias vezes.

A Igreja Católica organizou uma festa de celebração da primeira comunhão e batismo, com alunos da catequese do ano de 2008.

O Centro de Referencia e Assistência Social - CRAS promoveu uma festa em comemoração ao Dia das Mães em 2009.

A ASCONTURB - Associação de Condutores de Turismo de Boipeba realizou um bingo para arrecadar verbas para a associação.

 
 
 
 
 

Dia 18, Zé Pescador e James da PROMAR visitaram o Centro Ambiental para conhecer e apresentar os trabalhos de preservação de corais desenvolvidos pela Promar na Ilha de Itaparica.

A Promar tem a proposta de instalar uma base na Ilha de Boipeba e procurou a Amabo para formar uma parceria no trabalho de proteção de recifes, dando prioridade às piscinas naturais. A presença da Promar é mais um apoio para aprovar o projeto de lei do vereador Luis Alberto Gomes, (Igor), buscando a preservação das piscinas naturais.

 
 

Em março de 2010, encerrou o convênio entre a Amabo e a Petrobras, mas a Amabo dá continuidade as ações de proteção do meio ambiente.